Plano Kalergi

O Plano Kalergi é um plano genocida desenvolvido em 1923 pelo político mestiço Richard Nikolaus Coudenhove-Kalergi e por seus parceiros maçons, precursores da União Europeia, para destruir a Europa e exterminar a raça branca, através da imigração de negros, asiáticos, mestiços americanos, ameríndios e muçulmanos para misturar racialmente, produzindo, de acordo com suas próprias expectativas, uma raça mista passiva, dócil, previsível e manipulada, de caráter e inteligência inferior sobre o que poderia governar a elite aristocrática judia para sempre, pois este povo inferior seria incapaz de se organizar para se rebelar, e até perceber que eles são dominados.

“Hoje a Democracia é uma fachada da Plutocracia. Uma vez que os povos não tolerariam a sua plutocracia é-lhes deixado o poder nominal, enquanto o poder de fato repousa nas mãos dos plutocratas. Nas democracias republicanas, tanto como nas democracias monárquicas os homens públicos são fantoches, os capitalistas os maquinadores: eles é que ditam as diretivas da política, eles dominam os eleitores comprando a opinião pública, através das relações comerciais e sociais, os ministros, (…).

A plutocracia de hoje é mais poderosa do que a aristocracia de ontem: isto porque ninguém está acima dela além do Estado, que é sua ferramenta e cúmplice.”

Conde Richard Coudenhouve Kalergi – “Praktischer Idealismus”, 1925 (Idealismo Prático).

Este plano, estabelecido em 28 teses, é inspirado no controle humano sobre os animais da fazenda, que, devido à sua menor inteligência não podem se rebelar.

O Plano Kalergi almejava desde seus primeiros documentos escritos, apresentados entre 1923 e 1925, a tomada de poder pelos judeus primeiramente na Europa e depois em todo o mundo. O plano do suposto Conde baseava-se em um utópico racismo judaico e apoiava-se em uma “raça superior judaica” (Herrenrasse).

O conceito de “raça superior”, o qual é erroneamente postulado pela atual “história contemporânea” a Adolf Hitler, foi na verdade introduzido por Coudenhove-Kalergi para reforçar uma suposta reivindicação dos judeus pelo poder na Europa e em todo o mundo. O termo “raça nobre judaica” também é utilizado freqüentemente. Como meio de alcançar este império mundial judaico, Kalergi é a favor da eliminação da Auto-Determinação dos Povos e, então, a eliminação do conceito de Nação através de grandes deslocamentos humanos ou imigração em massa.

Para tornar a Europa dominável pelos judeus, Kalergi quer transformar os homogêneos povos europeus em uma raça de mestiços, composta de brancos, negros e amarelos. A tais mestiços, ele confere características como crueldade e infidelidade, características tais que precisam ser criadas artificialmente e que ele julga ser indispensável para possibilitar o domínio judaico.

Plano Coudenhove-Kalergi

Muito antes de Hitler, Kalergi compartilhava a opinião do alto rendimento da raça branca, especialmente da sub-raça nórdica, mas, ao contrário de Hitler, não aspirava o favorecimento, conservação e fortalecimento da mesma, senão a sua destruição. Por este motivo, pretendeu influenciar na “Criação”, porque pensava acertadamente que ao cruzar as raças, se eliminariam talentos e características admiráveis de cada uma delas. Apesar de sua valorização positiva desta raça, cria ou planejava seu extermínio unicamente porque dizia necessitar de mestiços facilmente manipuláveis para quando pudessem governar sobre eles.

Na atualidade, encontramos outra palavra nos meios de comunicação americanos quando se referem à colonização do Afeganistão e Iraque, outro dos muitos sinais que provam que a semente de Kalergi segue germinando. Trata-se de nationbuilding e significa algo assim como a criação artificial de nações pelas mãos do homem. Enquanto à ideia de Kalergi sobre o homem cruzado consanguineamente, encontramos grandes conhecimentos sobre a evolução e a criação de raças que em alguns pontos concordam assombrosamente com as investigações de Darwin e as, não elaboradas, teorias do Terceiro Reich. Também a ciência moderna, impulsionada sobre tudo por Israel, que com a análise do DNA pode distinguir aos judeus de seus primos, os árabes, confirma os conhecimentos de Kalergi sem que se possa averiguar a proveniência de tais conhecimentos.

O plano de Kalergi parece estar totalmente realizado. Enfrentamos a fusão da Europa com o Terceiro Mundo. O matrimônio inter racial produz cada ano milhares de pessoas jovens da raça mestiça: ‘as crianças de Kalergi’. Sob as pressões duplas, desinformação e adormecimento humanitário, promovidas pelos meios de comunicação principais, os europeus estão sendo ensinados a renunciar a sua origem, renunciar a sua identidade nacional.

“Em vez de destruir o judaísmo europeu, a Europa, contra sua vontade, refinou e educou este povo, encaminhando-o para o seu futuro estádio de uma nação liderante através deste processo evolutivo artificial. Não é surpreendente que as pessoas que escaparam da prisão-gueto passassem a ser a nobreza espiritual da Europa. Deste modo o tratamento compassivo dado pela Europa criou uma nova raça selecionada de aristocratas. Isto aconteceu quando a Aristocracia feudal europeia, foi esmagada por causa da emancipação dos judeus (devido às ações tomadas pela Revolução Francesa)

A Cristandade, eticamente preparada pelos ensaios judaicos (João), preparada espiritualmente pelos judeus Alexandrinos (Philo), foi um judaísmo regenerado. Até agora a Europa, sendo cristã é, em termos espirituais, judia; até agora, a Europa moral, é judia.

Quase toda a ética europeia tem as suas raízes no judaísmo. Todos os protagonistas para a Moral Cristã, ou não Cristã, desde Augustine até Rousseau, Kant e Tolstoy, foram judeus por escolha, num sentido espiritual.

Nietzsche é o único não judeu, o único moralista europeu ateu.

No Oriente o povo chinês é aquele que é ético por excelência […] – no Ocidente são os judeus. Deus era o chefe de estado dos antigos judeus, a sua lei moral e civil; o pecado era um crime.”

Conde Richard Coudenhouve Kalergi

“Praktischer Idealismus”, 1925 (Idealismo Prático).

Os empregados da globalização estão tentando convencer-nos que para negar a nossa identidade, é um ato progressivo e humanitário, que ‘o racismo’ está errado, porque eles querem que todos nós sejamos consumidores cegos. É necessário, agora mais do que em qualquer época, contrariar as mentiras do Sistema, despertar o espírito revolucionário dos europeus. Todo o mundo deve ver esta verdade, aquela Integração européia evolui para o genocídio.

Este site foi criado por Luís Eduardo Alló (fundador e editor), bacharel em Direito, mineiro de Muriaé – MG e que adora trabalhar na web.

Próximo

Anterior

Estratégia das Tesouras Estratégia das Tesouras
Brasil - Ditadura Maçônica Comunista Brasil - Ditadura Maçônica Comunista
O homem foi realmente a lua? O homem foi realmente a lua?
Jogo dos Illuminati: A Nova Ordem Mundial - INWO Jogo dos Illuminati: A Nova Ordem Mundial - INWO
Como o Brasil está perante a Nova Ordem Mundial Como o Brasil está perante a Nova Ordem Mundial
A fábrica de zumbis A fábrica de zumbis
Intrometendo - O único local onde se encontra a verdade Intrometendo - O único local onde se encontra a verdade
Nova Ordem Mundial – New World Order (NWO) Nova Ordem Mundial – New World Order (NWO)

© 2009-2017 Intrometendo | Anuncie | Sobre | Política de Privacidade

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Alló Digital