Pokémon GO – Projeto de Espionagem Global

Acaba de ser lançado o jogo de realidade aumentada Pokémon Go, que em poucos dias enlouqueceu milhares de usuários nos EUA e Austrália. Pokémon GO é um jogo eletrônico free-to-play de realidade aumentada voltado para smartphones. Foi desenvolvido por uma colaboração entre a Niantic, Inc., a Nintendo e a The Pokémon Company para as plataformas iOS e Android.

O jogo foi lançado em julho de 2016 em alguns países. Fazendo uso do GPS e câmera de dispositivos compatíveis, o jogo permite aos jogadores capturar, batalhar, e treinar criaturas virtuais, chamadas Pokémons, que aparecem nas telas de dispositivos como se fossem no mundo real. Um dispositivo opcional vestível, o Pokémon Go Plus, está previsto para lançamento futuro e irá alertar os usuários quando Pokémons estiverem nas proximidades.

Pokémon Go foi lançado com críticas mistas. Revisores elogiaram a experiência geral do jogo e o incentivo para a aventura no mundo real, embora salientando questões técnicas que eram aparentes no lançamento. O jogo tornou-se rapidamente um dos aplicativos mais usados em smartphones, superando o recorde anterior, realizado pelo Candy Crush Saga nos Estados Unidos, e teve um impacto extremamente positivo sobre o valor das ações da Nintendo. O jogo foi creditado com a popularização de realidade aumentada, e foi elogiado por alguns profissionais médicos por potencialmente melhorar a saúde mental e física dos jogadores, mas também atraiu alguma controvérsia devido a relatos de causar acidentes e por causar perturbação da ordem pública em alguns locais.

O jogo para celular tomou conta dos usuários, levando-los às ruas em busca destes personagens do desenho animado japonês que, usando a câmera, aparecem nas telas de seus dispositivos mas em um ambiente real.

A internet ficou lotada de testemunhos de jogadores traumatizados e obcecados com a busca, assim como de preocupações sobre os riscos que podem representar para a privacidade dos usuários. Neste sentido, diversos sites da internet estão sugerindo que o jogo está vinculado à CIA.

Pokémon GO sendo usado para espionagem global

A empresa Niantic que desenvolveu o jogo foi fundada por John Hanke, que antes foi diretor da empresa de software Keyhole e recebia fundos da entidade de capital de risco In-Q-tel.

Embora a empresa seja tecnicamente independente, seu objetivo é manter a CIA e outros serviços de inteligência equipada com os últimos desenvolvimentos da tecnologia informática e investir em “soluções tecnológicas para apoiar missões da comunidade de inteligência dos EUA”.

O jogo de realidade aumentada criado pela Niantic usa as câmeras e o GPS de milhões de usuários que literalmente “escaneiam” o que ocorre ao seu redor buscando seus “Pokémons”

Segundo esta teoria, esta tecnologia pode tornar os jogadores em “sondas de vigilância” que gravam seu ambiente, inclusive dentro de suas casas, espiando onde os satélites não podem chegar, por isso que tal jogo seria um projeto encoberto da CIA.

O jogo de realidade aumentada criado por Niantic usa câmeras e GPS de milhões de usuários “digitalizando” tudo o que se passa em torno de sua ‘Pokémon’. Em teoria, esta tecnologia pode converter jogadores em ‘sondas robóticas’ para fazer um registro de tudo ao seu redor, mesmo dentro de suas casas, observando onde os satélites não podem chegar.

Em 2008 o filme The Dark Knight, do Batman, o personagem Bruce Wayne intencionalmente coloca um vírus “backdoor” em todos os telefones celulares vendidos pela sua empresa Wayne Enterprises para implementar uma grade de som em toda a cidade. No início de 2000, In-Q-Tel investiu em Keyhole Inc., a empresa fundada por Hanke que desenvolveu o 3D “flyby” onde é possível obter diversas imagens de edifícios e terrenos a partir de dados geoespaciais coletados por satélites. O nome “Keyhole” foi uma homenagem aos satélites espiões KH, que foram os primeiros a serem lançados pelo Instituto Nacional americano de Reconhecimento.

O Google mais tarde comprou a empresa Keyhole em 2004 e usou a sua tecnologia para o Google Earth. A CIA estabeleceu em 1999 a in-Q-Tel como seu braço de capital de risco para “identificar e investir em empresas em desenvolvimento, para obter informações e tecnologias de ponta que servem para interesses da segurança nacional dos Estados Unidos, segundo a própria empresa.

“Se você quiser manter-se no Vale do Silício, você precisa se tornar parte do Vale do Silício”, diz Jim Rickards, um consultor para a Comunidade da inteligência dos EUA com a In-Q-Tel.

Downloads e vendas do Pokémon Go

Pokémon Go tornou-se rapidamente o aplicativo mais baixado na App Store americana, sendo o jogo que em menor tempo após o lançamento tornou-se o topo da App Store e do Google Play, batendo Clash Royale. Dois dias após o lançamento, já havia sido instalado em mais de 5% dos dispositivos Android nos Estados Unidos, de acordo com SimilarWeb. Em 12 de julho, o jogo tornou-se o jogo móvel com maior atividade nos Estados Unidos, com 21 milhões de ativos usuários, superando Candy Crush Saga, que marcou 20 milhões. A utilização diária média do aplicativo em dispositivos Android ultrapassou Snapchat, Tinder, Twitter, Instagram e Facebook. Em 15 de julho, aproximadamente 1,3 milhões de pessoas o jogaram nos Países Baixos, apesar de o aplicativo não ter sido, a essa data, lançado oficialmente no país. Na semana seguinte ao lançamento do jogo, servidores australianos tiveram problemas em Sydney, Melbourne e Brisbane devido à popularidade do jogo.

Nos EUA, o aplicativo fez um sucesso retumbante: 20% dos usuários de Android no país já estavam usando o jogo em cerca de uma semana após o lançamento. Ele também era a 10ª funcionalidade mais usada nos smartphones Android. Se desconsideradas as funções de sistema, como abrir a tela inicial, o Pokémon GO era a 4ª atividade mais realizada em smartphones Android, atrás apenas do uso do Facebook, das buscas no Google e do uso da agenda de contatos, segundo dados da consultoria Kantar

Próximo

Anterior

Deixe seu comentário

© 2009-2017 Intrometendo | Anuncie | Sobre | Política de Privacidade

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Alló Digital