Como funciona o Poder regido no Mundo

São os poderosos que entendem de venerar, esta é sua arte, o reino de sua invenção. A profunda reverência pela idade e pela origem – todo o direito se baseia nessa dupla reverência -, a fé e o preconceito em favor dos ancestrais e contra os vindouros são algo típico da moral dos poderosos; e quando, inversamente, os homens das “idéias modernas” creem quase instintivamente no progresso” e no “porvir”, e cada vez mais carecem do respeito pela idade, já se acusa em tudo isso a origem não-nobre dessas “idéias”. O que faz uma moral dos dominantes parecer mais estranha e penosa para o gosto atual, no entanto, é o rigor do seu princípio básico de que apenas frente aos iguais existem deveres; de que frente aos seres de categoria inferior, a tudo estranho-alheio, pode-se agir ao bel-prazer ou como quiser o coração”, e em todo caso “além do bem e do mal”: aqui pode entrar a compaixão, e coisas do gênero. A capacidade e o dever da longa gratidão e da longa vingança – as duas somente com os iguais -, a finura na retribuição, o refinamento no conceito de amizade, de uma certa necessidade de ter inimigos (como canais de escoamento, por assim dizer, para os afetos de inveja, agressividade, petulância – no fundo, para poder ser bem amigo): todas essas são características da moral nobre, que, como foi indicado, não é a moral das “idéias modernas”, sendo hoje difícil percebê-la, portanto, e também desenterrá-la e descobri-la.” (Friedrich Nietzsche – “Além do Bem e do Mal”, Prelúdio a uma filosofia do futuro)

Todo Poder do mundo é regido pelo medo. O Poder nada mais é do que ter domínio ou controle sobre, algo, ter a possibilidade, natural ou adquirida, de fazer determinadas coisas; capacidade, faculdade, ter a virtude ou capacidade de (algo) produzir determinado efeito; eficácia.

Poder

Capacidade ou possibilidade de fazer uma coisa. Direito de agir, de decidir, de mandar. Autoridade, governo de um país. Mandato, procuração. É a capacidade que alguém possui de influenciar outra pessoa a fazer algo que é de interesse da primeira e que pode ou não ter a mesma importância para a segunda, podendo ser realizado de forma espontânea ou compulsória.

Tipos de Poder

Poder espiritual: o que pertence à Igreja.

Poder temporal: o que é atribuído ao Papa como soberano territorial; autoridade civil. Conjunto de atribuições que alguém pode exercer em função do seu cargo: os poderes de um embaixador.

Poderes públicos: conjunto de autoridades governamentais que detêm o poder num país.

Poderes da República: os três poderes que compõem o governo de uma república: legislativo, executivo e judiciário.

Outras formas de Poder

Sociólogos geralmente definem poder como a habilidade de impor a sua vontade sobre os outros, mesmo se estes resistirem de alguma maneira. Os Políticos consideram poder como a capacidade de se impor sem alternativa para a desobediência.

O poder político, quando reconhecido como legítimo e sancionado como executor da ordem estabelecida, coincide com a autoridade, mas há poder político distinto desta e que até se lhe opõe, como acontece na revolução ou nas ditaduras.

Como funciona o Poder no Mundo

A história contemporânea é um assunto bastante perigoso de se tratar, porque ela está cheia de informações explosivas, material que não pode ser mostrado nem exibido, essas informações só podem ser conhecidas muitos anos mais tarde do fato. As pessoas que tentam escrever a História real contemporânea numa forma mais séria e duradoura do que um simples artigo de jornal, pode correr um sério risco.

A história mundial mostra como o Poder acontece, sendo marcada pela sucessão de diversos sistemas mundiais hegemonizados por uma potência e sempre intercalados por fases de transição e configuração de novas lideranças, tudo isso sendo apoiado por paradigmas econômicos, políticos, sociais, tecnológicos, culturais e etc.

abraao

Atualmente o mundo é dividido em três esquemas de Poder dirigidos além de territórios nacionais e sim em blocos e esquemas que são divididos em: ComunismoJudaísmo-Cristão e Islamismo. Cada um desses três sistemas, tenta implementar uma Nova Ordem Mundial a seu modo. Com a globalização temos ainda o termo Judaico-cristão-muçulmano que refere-se, assim, às três principais religiões monoteístas, vulgarmente conhecidas como as religiões abraâmicas. O intercâmbio formal entre as três religiões, modelado através do diálogo inter-grupos, tornou-se comum com a globalização que atualmente o mundo vive.

Judaísmo-Cristão

Um terço da população mundial é cristã, o equivalente a mais de 2,18 bilhões de pessoas. Já o Judaísmo possui cerca de 14 milhões de pessoas no mundo. Judaico-cristianismo é um termo genérico usado para caracterizar o conjunto de crenças em comum do judaísmo e do cristianismo, bem como a herança das tradições judaicas herdadas pelos cristãos. Este termo é apropriado para caracterizar, como principal fonte doutrinária das crenças judaicas e cristãs, com o conjunto de livros composto pelo Velho Testamento e do Novo Testamento.

cristão-judeu

O termo ganhou popularidade mais particularmente na esfera política a partir da década de 1920 e 1930, promovido por grupos liberais, que evoluíram para a Conferência Nacional de cristãos e judeus, aliados na luta contra o anti-semitismo por expressar uma ideia mais abrangente dos Estados Unidos da América do que a retórica anteriormente dominante da nação como um país especificamente cristão.

A Santa Sé, unicamente entre as corporações cristãos, estabelece relações diplomáticas com as nações ao redor do mundo. Apesar dum relacionamento amigável, na prática, com o Estado de Israel, ainda não tem elos diplomáticos formais, fazendo a escusa de que as fronteiras do Estado Judaico não são determinadas.

Existem algumas diferenças entre os judeus e os cristãos, os judeus não acreditam em Jesus, porque segundo eles, o Messias não atingiu as chamadas “Profecias Messiânicas”. Para os judeus o Cristianismo contradiz a teologia Judaica, dividindo D’us em três seres separados: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (mateus 28:19). Na Lei Judaica, adorar um deus em três partes é considerado idolatria – um dos três pecados cardeais.

Só que a nível de poder global e político, esse conceito está unido, tanto que em 1952 o presidente eleito dos Estados Unidos da América, Dwight Eisenhower falou que o “conceito judaico-cristão” é a fé sobre a qual “o nosso (…) governo … é fundado.

Comunismo

“A religião é o ópio do povo” este ditado de Karl Marx é a pedra angular de toda a ideologia do marxismo sobre religião. Todas as modernas religiões e igrejas, todos (…) os tipos de organizações religiosas são sempre considerados pelo marxismo como órgãos de reação burguesa, usados para a proteção da exploração e o assombro da classe trabalhadora.

Os Ateus/agnósticos/sem religião são cerca de 1,1 bilhões de pessoas ao todo no mundo. Normalmente apenas os governos autointitulados comunistas procuraram promover o ateísmo como uma lei pública, de acordo com a doutrina do materialismo dialético Marxista. Estados ateus foram implementados nos países comunistas da antiga União Soviética, China comunista, Albânia comunista, Afeganistão comunista, Coreia do Norte e Mongólia comunista.

Comunismo

Para quem não sabe, o Comunismo é a organização socioeconômica baseada na propriedade coletiva dos meios de produção. Doutrina econômica e sociopolítica, de cunho revolucionário, elaborada pelos teóricos alemães Karl Marx 1818-1883 e Friedrich Engels 1820-1895, que prevê a superação do capitalismo por meio da luta de classes, o fim da propriedade privada dos meios de produção, a instauração de um regime de partido único e, num último estágio, a supressão do Estado e o estabelecimento de uma sociedade sem classes. Vertentes importantes surgiram ao longo da primeira metade do século XX, principalmente dentro da corrente hegemônica, o “comunismo de partido” (também chamado bolchevismo ou leninismo), como o maoismo, o stalinismo, o trotskismo, entre outras. Essa divisão dentro da própria teoria acabaria por minar muitas das iniciativas do comunismo e causar várias lutas ideológicas internas. Os movimentos anarquista e marxista surgiram e ganharam forte atuação no século XIX, em meio aos efeitos sociais da Revolução Industrial.

Após a queda do muro de Berlim, o comunismo foi considerado morto por vários pensadores, intelectuais e pela mídia. O marxismo manteve-se sob outras formas, como na China, com o maoismo, em Cuba, com Fidel Castro e, mais duramente, na Coreia do Norte, com Kim Il-sung e o seu filho Kim Jong-il. O marxismo mantém-se, contudo, como uma referência filosófica e política, (polêmica, é certo), que não deve ser desprezada no contexto da globalização.

Islamismo (muçulmanos)

O Islã é a segunda maior religião de todo o mundo, tendo mais de 1.5 bilhões de adeptos, cerca de 23% da população mundial. Muçulmano é todo o indivíduo que adere ao Islã, uma religião monoteísta centrada na vida e nos ensinamentos de Maomé, e que recebeu revelações do Arcanjo Gabriel. Além disso, os muçulmanos também dão ênfase aos dogmas da oração, jejum no mês de Ramadã, peregrinação em Meca e o estudo do Alcorão.

Islamismo

Os muçulmanos acreditam que Deus é único e incomparável e o propósito da existência é adorá-lo. Eles também acreditam que o islã é a versão completa e universal de uma fé primordial que foi revelada em muitas épocas e lugares anteriores, incluindo por meio de Abraão, Moisés e Jesus, que eles consideram profetas. A maioria dos muçulmanos pertence a uma das duas principais denominações; com 80% a 90% sendo sunitas e 10% a 20% sendo xiitas.

Na tradição muçulmana, Maomé (c 570 – 8 de junho de 632) é visto como o último de uma série de profetas principais. Durante os últimos 22 anos de sua vida, começando aos 40 anos, em 610, de acordo com as primeiras biografias restantes, Maomé relatou revelações que ele acreditava serem Deus transmitidas a ele através do arcanjo Gabriel (Jibril). O conteúdo dessas revelações, conhecido como o Alcorão, foi memorizado e gravado por seus companheiros.

Os muçulmanos acreditam no quadar, uma palavra geralmente traduzida como “predestinação”, mas cujo sentido mais preciso é “medir” ou “decidir quantidade ou qualidade”. Para o Islã, Deus foi o criador de tudo, incluindo os seres humanos, e sendo uma das suas características a omnisciência, ele já sabia, quando procedeu à criação, as características que cada elemento da sua obra teria. Assim sendo, cada coisa que acontece a uma pessoa foi determinada por Deus.

Globalização e Nova Ordem Mundial

O que vemos atualmente no Brasil e no mundo é que praticamente todas as análises de política internacional disponíveis na mídia refletem a subserviência dos “formadores de opinião” a uma das três correntes em disputa, e portanto o desconhecimento sistemático de suas áreas de cumplicidade e ajuda mútua, ou as vezes sendo defensores totais de um dos esquemas.

Toda a mídia em geral, gera suas opiniões baseadas em fatos completamente “abstratos”, só que os estrategistas dos três grandes projetos mundiais estão bem alertados disso, e incluem os comentaristas políticos, jornalísticos ou acadêmicos, entre os repetidores de suas doutrinas, sendo estes pessoas úteis a seu serviço, sem nem saber ao certo que são.

Próximo

Anterior

Deixe seu comentário

© 2009-2017 Intrometendo | Anuncie | Sobre | Política de Privacidade

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Alló Digital