Preconceito contra Brasileiros no Brasil

Eu acredito que o brasileiro deve ser respeitado na sua pátria que é o Brasil, existem gringos que vem ao Brasil passear ou mesmo passar férias, ou até mesmo pela internet que vem ofender aos brasileiros.

Isso não vai ser tolerado por nós brasileiros. Enquanto tivermos nossa Justiça protegendo todo tipo de vagabundagem de políticos corruptos, criminosos e tudo quanto é tralha, os brasileiros honestos e corretos são ofendidos e não tem um respaldo legal para se protegerem de abusos cometidos por estrangeiros que entram no Brasil e acham que aqui é uma Zona.

Um mundo cada vez mais miscigenado, o preconceito contra brasileiros ainda é uma luta diária para muitos que decidiram tentar a vida em outros países. Entre as décadas de 80 e 90, a emigração de brasileiros tomou enormes proporções. Desde profissionais qualificados, como médicos, engenheiros e analistas de sistemas até indivíduos com baixo nível de escolaridade se arriscaram por uma melhor qualidade de vida mundo afora.

Preconceito contra Brasileiros no Brasil

O racismo no Brasil é um legado da colonização portuguesa. Os índios brasileiros não se viam como um povo uno e as tribos nutriam animosidades entre si, gerando guerras constantes. Contudo, o preconceito baseado na aparência física, na cultura ou na religião foi trazido junto com os colonizadores portugueses. À época do descobrimento do Brasil, Portugal era uma das sociedades mais intolerantes da Europa. Em 1496, os judeus, que viviam há séculos em Portugal, foram expulsos do país, em decorrência do crescente antissemitismo na Península Ibérica. Os ciganos também eram uma etnia profundamente marginalizada em terras lusitanas.

Chegando ao que viria a ser o Brasil, os portugueses se depararam com os povos indígenas. Durante séculos, grupos “científicos” e religiosos debateram se os índios eram seres humanos ou animais. A cultura e a religião indígenas foram sempre vistas como inferiores e demoníacas, resultando numa “ação civilizadora” da Igreja Católica a fim de aculturar os nativos ao cristianismo. Camuflada de boas intenções, o objetivo final era a dominação. Os bandeirantes, hoje considerados heróis, promoveram verdadeiras atrocidades contra as populações indígenas. Escravizados e despojados de suas terras, a maior parte da população nativa foi fisicamente aniquilada.

O racismo no Brasil continuou a ser perpetuado pela minoria branca após a independência. No Brasil republicano, o país continuava voltado ideologicamente para a Europa, tendo a cultura europeia como modelo. Esse ideal contribuía para se perpetuar um sentimento de repulsa aos negros, pardos, mestiços ou crioulos. Obcecada em “branquear” o país, no século XIX a elite política incentivou enormemente a vinda de imigrantes europeus. O racismo foi inclusive reforçado com a chegada desses imigrantes, como alemães e italianos, pois eles frequentemente mantiveram uma relação conflituosa com índios e negros.

Oo racismo que persiste atualmente de forma intensa no Brasil é voltado contra negros, mulatos, minorias e índios, mas sobretudo contra os primeiros. Apesar de ainda haver resquícios do mito da democracia racial, que propagava que no Brasil não existia racismo ou que ele era menor que no resto do mundo, o preconceito racial resiste na sociedade brasileira, embora muitas vezes camuflado.

As atuais classes dominantes brasileiras “guardam, diante do negro, a mesma atitude de desprezo vil” que seus antepassados escravocratas tinham. Os pobres e os negros em geral são vistos como culpados de sua própria desgraça, explicada por suas características raciais e não devido à escravidão e à opressão. Contudo, não é só o branco que discrimina o negro no Brasil. O preconceito é assimilado pelos próprios mulatos e até pelos negros que ascendem socialmente, “os quais se somam ao contingente branco para discriminar o negro-massa”.

Os negros são hoje no Brasil o grupo étnico-racial mais pobre e com menor nível de escolaridade. Também são os que mais morrem assassinados e são as maiores vítimas da violência policial. Os seguidores de religiões afro-brasileiras são, até hoje, vítimas de discriminação e tachados como praticantes de seitas demoníacas, tendo seus terreiros invadidos e depredados por fanáticos religiosos. A televisão brasileira também discrimina os negros e outros grupos, que são sub-representados na sua programação, sobretudo nas telenovelas. O racismo é um problema estrutural do Brasil

Aqui é o Brasil, temos soberania, não vamos abaixar a cabeça para ninguém, em nenhum lugar do mundo, principalmente aqui dentro do Brasil.

Próximo

Anterior

Deixe seu comentário

© 2009-2017 Intrometendo | Anuncie | Sobre | Política de Privacidade

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Alló Digital